FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

SERENATA.
   A luz da lua,  passando por entre frestas da janela do quarto,  procura  iluminar a silhueta de um corpo nu.
   Ela se levanta da cama. Calmamente se dirige para a janela oposta entre aberta.
   A maneira como caminha, sem pressa parece que desfila em uma passarela de nuvens. Aos poucos percorre a curta distância de seu leito até  a parede oposta.
   Faz tudo isso,  em ritual provocativo.  Sabe  que  na rua, embaixo de seu prédio de apartamento,  estou a observar.
  Fico a imaginar toda aquela imagem escultural, quê não faz muito tempo, procurava abrigo e consolo nos meus  braços.  Tantas foram as vezes que  em seu cansaço  noturno, se aconchegava para receber beijos e carinhos a ela dedicados.
   Mas as voltas da vida , nos reserva surpresa a cada esquina.  
   Sem como ou porquê eis o fim.
   Corações partidos, incompreendidos e incompreensivos.  Cada um ficou com a medida de sua dor, fazendo seres escravizados de um amor náufrago.  Recuperastes desta cina.  Casastes. E eu como na velha melodia, de NELSON GONÇALVES,  casei-me  também com a Lua,  que ainda é minha mulher.
  
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 02/05/2018
Alterado em 02/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras