FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

A ONÇA E O BODE.
   Vou te contar uma estória. Bem antiga, do tempo que todos os bichos, que habitavam as florestas falavam. Faz tempo... Mas acho que eles nunca pararam de falar; o homem é que passou a ter outras prioridades e deixou de reparar melhor nos animais. Mas vamos a nossa fábula.
   Cada animal possuía seu pedaço de chão. Bem delimitado, cada qual cuidava do que era de seu. Apesar dessa divisão, viviam ao relento sujeitos  a sol e chuva.
   Um dia a Onça, bicho mais temido daquelas bandas, agarrou a pensar: Como pode ser isso, eu praticamente domino todos por aqui, mas não tenho uma barraca pra me livrar do sol e da chuva. Vou procurar um lugar onde possa fazer um abrigo.
   Só que esse mesmo pensamento também teve o bode. Resolveu ir atrás de um lugar para tal finalidade.Acordou cedo, rumou beira de rio abaixo.    Encontrou  uma ribanceira, um local já meio descampado. Resolveu que ali séria o ideal. Se embrenhou mato a dentro em busca de palhas. Cortou uma porção     e    arrastou     para   o  descampado. Cançado, foi dormir. Dona Onça, também encontrou o mesmo lugar. Pensou: mais que belezura, já tem até palhas cortadas. Se embrenhou no mato, cortou uns troncos, fincou no chão e cobriu com a palha. Cançada ,   foi repousar.
   O bode chegando ao local, no outro dia pensou: mais que bom. Uma alma boa tá me ajudando. Foi buscar barro na beira do rio e fez paredes dividindo o barraco. Cançado foi dormir, pensando: amanhã me mudo. A Onça chegou viu o barraco quase pronto pensou: o Deus da Mata tá me ajudando. Me mudo amanhã.  
   E passaram a morar no mesmo barraco, sem se encontrarem; o Bode saía de manha cedo para procurar alimentos e voltava a noitinha cançado. A Onça saía a noitinha pra caçar e voltava cedo.Viveram muito tempo assim, morando no mesmo local, cada qual dizendo -se  dono do barraco, sem se encontrarem.
   Se não fosse o linguarudo do macaco...

  Para meus netinhos: VICTOR E PEDRO HENRIQUE.
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 29/03/2018
Alterado em 01/04/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras