FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

O BOSTA DE BOI.
   Brincadeiras na infância se tornam,as vezes marcas na memoria.
   Quando passamos o inicio de nossa vida em pequenas cidades do interior, as formas de divertimento são bastantes peculiares.Principalmente quando a infância remota há muito idos.
   Existia na cidade em que fui criado, um vendedor ambulante. Andava pelas ruas, com seu carrinho de mão, oferecendo frutas e verduras, de porta em porta.
    Sujeito baixinho, atarracado, com características tipicas de Nordestino nato, aqueles de sangue quente e com respostas agressivas , na ponta da língua.
     Antes de ser vendedor ambulante, trabalhou na limpeza de um Matadouro Municipal. Fazia a limpeza do local. Lavava todo o patio, principalmente a parte em que os gados ficavam a espera do abate.
    O cheiro de estrumes era impregnador. Mesmo depois de um banho, Ceará, como era conhecido, ainda ficava com aquele cheiro característico, tendo em vista também que ele não era muito chegado a um banho adequado.
     Voltava para casa à tarde e onde passava o pessoal sentia aquele odor característico.
    Por causa disso recebeu a alcunha de "CEARÁ BOSTA DE BOI". Não é necessário dizer a raiva que tinha desse apelido.
     Quando passava na rua a meninada gritava:
     __ EI CEARÁ BOSTA DE BOI.
     Ele chegava quase a infartar.
     A raiva era tanta, que fez com que ele desistisse do emprego. Foi quando se transformou em vendedor ambulante.
     Mas quem disse que a meninada esqueceu o apelido.
     Quando passava vendendo seus produtos ouvia os gritos da molecada:
     __Ei CEARÁ BOSTA DE BOI. Lá vai o Bosta de Boi.
     Ele como bom cearense, irritado rebatia:
     __É a tua mãe, filho da puta. Tua mãe já saiu do Cabaré? Teu pai é corno.
     Como se não bastasse, ainda jogava as frutas que vendia na garotada , que disputava as mesmas. Isso fazia com que a situação se repetisse todo dia.
     E todo dia era igual. Meninada gritando atras do velho Ceara.
     Não aguentando mais Ceará mudou de cidade
     E nunca mais se ouviu falar no CEARÁ BOSTA DE BOI.      
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 02/10/2017
Alterado em 27/10/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras