FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

MANEZIN E O JOÃO DE BARRO.
     SEMPRE QUE TINHA FESTA NO POVOADO, MARIA JOSÉ SAIA DE CASA MAIS CEDO, PARA LAVAR ROUPAS NO RIACHO,  ASSIM DESOCUPAR COM TEMPO DE ARRUMAR -SE PARA AS FESTIVIDADES.
    DESSA VEZ NÃO FOI DIFERENTE. ARRUMOU A TROCHA DE ROUPA, BOTOU AS MELHORES  DELA E  DOS FILHOS PARA LAVAR E  À NOITE ESTAREM IMPECÁVEIS.
    ERA COSTUME NO MÊS DE JUNHO, TODOS SE PREPARAREM PARA AS COMEMORAÇÕES DE SÃO JOÃO. MUITOS FAZIAM ECONOMIAS PARA GASTAREM UNS TROCADINHOS NO LEILÃO DEPOIS DA MISSA. SEMPRE TINHA UNS FRANGOS ASSADOS BEM APETITOSOS, QUE ERAM DOADOS PELA COMUNIDADE, PARA AJUDAR NAS OBRAS DA IGREJA DE PADRE ANTONIO,  ETERNAMENTE INACABADAS, O DINHEIRO ARRECADADO NUNCA CHEGAVA. APESAR DE  PEREIRA, FAZENDEIRO VELHO DA REGIÃO SEMPRE NA ÉPOCA FAZER GORDAS DOAÇÕES.
    A POPULAÇÃO SE DIVERTIA. MENINOS CORRENDO AO REDOR DAS FOGUEIRAS, BATATAS ASSANDO, MILHO COZIDO, MINGAU E OUTRAS COISAS TIPICAS DA REGIÃO E DA ÉPOCA.
    MANEZIN, MULATO VAIDOSO DO POVOADO, COMEÇOU CEDO A FESTEJAR, INDO DE BUTECO EM BUTECO , TOMANDO QUENTÃO.
    ANDAVA MESMO PRECISADO DE UMAS CACHAÇAS, PARA ESQUECER AS MAGOAS DEIXADAS POR UM AMOR MAL RESOLVIDO QUE TEVE COM MARIA JOSÉ, QUE APESAR DOS DOIS FILHOS, DOS MAL TRATOS QUE A VIDA TINHA IMPOSTO, COM A PERDA DO MARIDO, AINDA ERA MORENA DE BELEZA CHAMATIVA.MAS ERA OPINIOSA, DIZIA SEMPRE:
      ----NÃO QUERO MAIS SABER DE HOMEM GRUDADO. NO MAXIMO UMAS SAIDINHAS..
      MAS MANEZIN NÃO ACEITAVA ESSE TIPO DE OPINIÃO. O ROMANCE  QUE POUCO DUROU,  DEIXOU SEU CORAÇÃO MAGOADO, COM UMA DOR RECALCADA, QUE SÓ OS REJEITADOS DO AMOR PODEM ENTENDER.
     EM POVOADO, A VIDA DE CADA UM É PATRIMÔNIO DE TODOS. LOGO FICOU SABENDO QUE SUA MORENA ANDAVA DE ROMANCE COM UM FILHO DE PEREIRA. FICOU MACAMBUZIOU PELOS CANTOS, UMA TRISTEZA QUE NEM A DO PASSARINHO JOÃO DE BARRO PELA AMADA.
     A PINGA IA LHE DAR UM ESQUECIMENTO. QUAL NADA, PARECE QUE FEZ FOI BOTAR FOGO NO CORAÇÃO.
    TERMINADA A MISSA, COMEÇOU O LEILÃO, VENDIDA TODAS AS PRENDAS. O PADRE CONTENTE COM O LUCRO, AINDA MAIS QUE SEU PEREIRA CONTRIBUIU MAIS UMA VEZ POR FORA.
    FOI ANUNCIADA ENTÃO A FESTA NO SALÃO. MARIA JOSÉ , FACEIRA DANÇAVA UM XOTE COM SEU PRETENDENTE.
    MANEZIN DO LADO DE FORA ASSISTIA. A CADA VOLTA QUE ELA DAVA, SUA MENTE RODOPIAVA MAIS E MAIS , AGITANDO-SE MAIS E MAIS COM A EFERVERSCÊNCIA DA CACHAÇA.  
    GIRANDO...GIRANDO...GIRANDO.
    DE REPENTE, ENTRA NO SALÃO, FACA NA MÃO...
    SANGUE, SANGUE NO PEITO DE MARIA...
    LÁ NA ARVORE, O PASSARINHO JOÃO DE BARRO, ACABAVA DE FECHAR A PORTA DA MORADA.  
                
        
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 26/08/2017
Alterado em 27/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (FELIX TADEU CHAVES e -mail felixtadeu@uol.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras