FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


A PESCARIA.

    TODO DIA , MESMA HORA, O SOL JÁ QUASE SUMINDO NO BEIRAL , ZÉ MARIA DESCE A RIBANCEIRA , SENTA NUMA PEDRA COM OS PÉS TOCANDO NA ÁGUA, AGORA MANSINHA, FICA COM O OLHAR PERDIDO NO HORIZONTE, COMO SE TIVESSE PROCURANDO ALGO OU UMA RESPOSTA DO RIO PARA SUAS TRISTES RECORDAÇÕES.
    JÁ FAZ TEMPO , EMBORA O LUGAR SEJA OUTRO , MAS O RIO TRAIDOR É O MESMO.
    ME DISSERAM QUE A ÁGUA QUE PASSA VAI EMBORA . NÃO VOLTA MAIS NÃO. QUAL O QUÊ...PRA MIM PARECE SER SEMPRE A MESMA.         TUDO COM CARINHA DE MANSA PARA ENGANAR OS BESTAS .
    RESPOSTAS PARA MINHAS INDAGAÇÕES, NADA. ACHO  QUE UMA AVISA A OUTRA : DEIXA AQUELE MATUTO SOFRER. O CHORO DELE SERVE PARA AUMENTAR NOSSA FAMA POR ESSAS PARAGENS.
    OLHANDO  ASSIM , NÃO SE DIZ QUE TODA A  CALMA   QUE   PASSA JUNTO COM  AS ÁGUAS,  DEU LUGAR A UM MOVIMENTO REVOLTOSO, COMO   SE    QUISESSE    ARRASTAR   TUDO ,   DEMONSTRAÇÃO DE PODER DA NATUREZA SOBRE O HOMEM E DIZER QUEM MANDAVA EM QUEM.
    É   JUSTAMENTE   NO MEIO  DE    TODA    ESSA     FORÇA,    QUE   TUDO  ACONTECEU.
    TINHA  AMANHECIDO TEMPO  BOM. COMO  COSTUME PEGUEI OS REMOS. SEMPRE   GUARDAVA   ENCOSTADOS    ATRÁS   DA PORTA , ACORDEI ZEQUINHA. MENINO ESPERTO, MEU FILHO MAIS VELHO. IA SER BOM PESCADOR. DESDE PEQUENO ACOSTUMEI ELE NA LABUTA.
    ESSE DIA , LEVANTOU MEIO RESSABIADO. UMA PREGUIÇA NO CORPO, DESCONHECIDA E SONOLENTA.
   MAS FOI POR POUCO TEMPO.
   LOGO A ESPERTEZA TOMOU CONTA E DESCEMOS RUMO AO RIO, DEPOIS DE TOMAR  UM CAFEZINHO.
    MAIS UM DIA NA VIDA DE PESCADOR, BUSCAR  O SUSTENTO DA FAMÍLIA    COM   A    VENDA   DOS    PEIXES.    
    ZEQUINHA NO SEU LUGAR PREFERIDO DA CANOA ,  A   PROA.
    FOMOS DIRETO PARA O PEDRAL. TINHA DADO NA PESCARIA PASSADA UNS TUCUNARES GRAÚDOS. QUEM SABE HOJE , COM SORTE DAVA DE NOVO.
    MEIA HORA DE PESCA  E  PEIXES  GRAUDOS .
    TEMPO COMEÇOU A  FECHAR. VENTO FORTE CHEGANDO. A  ÁGUA SE AGITANDO ,  EM UMA DISPUTA  COM A VENTANIA.
    RUMAMOS PARA A BEIRA. A   VELOCIDADE  DA ÁGUA JOGAVA  E BRIGAVA COM A CANOA , COMO FOSSE UM  BARQUINHO DE   PAPEL.     DESVIÁVAMOS DOS REBOJOS. MAIS  TRAIÇOEIRAMENTE  UM   VIROU  A  CANOA ,    LEVANDO   OS PEIXES    DE    VOLTA.
    E   JUNTO    FOI    ZEQUINHA.  
    DESAPARECERAM  NAQUELE  FUNIL  AGITADO.  TENTEI AGARRAR   O  MENINO,    MAS    A     ÁGUA    PARA    DEMONSTRAR    MAIS SEU PODER , ME   JOGOU   PARA O LADO OPOSTO.
    TENTATIVAS , TENTATIVAS   E   NADA.
AGORA , OLHANDO PARA AS ÁGUAS , FICO  A  MATUTAR :  SERÁ QUE O RIO LEVOU ZEQUINHA , DESCONTANDO OS SEUS FILHOS PEIXES, QUE TANTAS VEZES LEVEI PRA CASA E ME FAZER SENTIR A DOR DA PERDA?
     MAS O RIO NÃO ME RESPONDE.




 
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 11/08/2017
Alterado em 15/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (FELIX CHAVES E-MAIL felixtadeu@uol.com.br).


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras